Vão Faltar Engenheiros, diz a OE

Ordem dos Engenheiros“Daqui a cinco anos vai haver défice de engenheiros na área da construção civil”, disse o bastonário da OE como comentário ao número de estudantes que entrou no curso de Engenharia Civil este ano.

Carlos Matias Ramos questiona ainda: “O Plano Estratégico de Infra-estruturas de Transportes prevê um investimento de seis mil milhões de euros até 2020. Que condições terá o país para dar resposta a este plano, no prazo fixado, se não tivermos cá engenheiros e se não prepararmos engenheiros para o futuro?”.

Pessoalmente gostava que ele tivesse razão. Que efectivamente houvesse trabalho em Portugal para todos os engenheiros civis. Mas todos sabemos que isso não será uma realidade.

Será que diminuindo o número de engenheiros, os salários aumentarão?? Devia ser. Mas também não acontecerá. Continuarão todos a receber os 700€ da praxe

Estudantes continuam a fugir de Engenharia Civil

Entre os cursos com zero alunos colocados no acesso ao ensino superior 2014, 11 são de Engenharia Civil.

Fará sentido manter este curso em tantas Universidades e Institutos Politécnicos?

Nenhum curso (nem mesmo IST e FEUP) conseguir colocar mais de 100 pessoas o que é sintomático da crise que a construção civil atravessa no momento. Por exemplo em 2006 entraram 180 alunos de ENg. Civil na FEUP. em 2014 entraram 158 no país inteiro. Comecará a haver trabalho para engenheiros civis em Portugal??

Eis o mapa completo com colocações e vagas 2013 e 2014 do curso de eng. civil (versão Eng. Hugo Santos. A original pode ser consultada aqui):

eng civil


Curso BIM

Numa organização conjunta entre a Ordem dos Engenheiros, a Universidade do Minho, o Instituto Superior Técnico e a Universidade do Porto, será realizada a segunda edição do curso de Building Information Modeling (BIM) com início em Outubro de 2014 e decorrendo em Lisboa e Porto. O curso destina-se a empresas/profissionais e estudantes interessados na implementação de metodologias colaborativas BIM nos processos produtivos da indústria AEC (Arquitetura, Engenharia e Construção).

Para informação detalhada sobre conteúdos e inscrições, visite: www.cursobim.com

BIM

Vídeo da queda de viaduto em Belo Horizonte

Um viaduto desabou na  passada quinta-feira em Belo Horizonte (Brasil), provocando a morte de pelo menos duas pessoas e ferimentos em 19.

A obra fazia parte das estruturas principais do Mundial, mas ainda não estava acabada. Fazia parte desta obra o viaduto e uma avenida.

O momento da queda ficou registado em vídeo:


Prédio de 30 andares é construído em 15 dias

predioUm prédio de 30 andares construído em apenas 15 dias, na província de Hunan, na China, é a nova façanha de uma construtora chinesa China Broad Group. A empresa, que já tinha erguido um edifício de 15 andares em uma semana, multiplicou o desafio por dois e bateu novo recorde, graças a tecnologias mais ecológicas.

O edifício de 17.000m², um hotel cinco estrelas inaugurado em dezembro de 2011, foi construído tão rapidamente por conta de secções pré-fabricadas e encaixadas numa estrutura de aço, evitando desperdício de energia e de materiais.

Por terem sido fabricadas sob medida, as placas reduziram o tempo de obra e ainda diminuíram em seis vezes a quantidade de cimento normalmente usada numa construção deste porte – o material cerâmico é responsável por altas emissões de CO2 na atmosfera. Além de económico e mais sustentável, o prédio é seguro e preparado para sismos de até 9 pontos da escala Richter.

A empresa pretende usar os mesmos métodos ecológicos para levantar outros 150 prédios nos moldes do hotel chinês.

Abaixo o vídeo que mostra o processo de construção do prédio:

Read more

Ordem dos Engenheiros considera inaceitável atuação da ACT na barragem do Tua

Ordem dos EngenheirosFernando de Almeida Santos garantiu que a Ordem tem tido o cuidado de visitar as poucas obras de alguma dimensão que estão a ser feitas em Portugal, e que a de Foz Tua “tem exemplos de segurança únicos na Europa”.

O presidente da região Norte da Ordem dos Engenheiros insurgiu-se hoje contra a atuação da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) na barragem do Tua, defendendo que a obra é exemplar ao nível da segurança na construção.

A posição de Fernando de Almeida Santos surge na sequência da ação inspetiva realizada, na terça-feira, pela ACT em Foz Tua, com a participação do diretor-geral Pedro Pimenta Braz, que deu conta de que foram feitas 30 notificações e levantados vários autos por falhas de segurança e outras irregularidades detetadas nos estaleiro.

“Fico absolutamente apreensivo com este ato de publicidade feito pelo nosso inspetor-geral do Trabalho, não é mais do que um ato de publicidade e de autopromoção nas televisões todas”, declarou à Lusa o dirigente regional da Ordem dos Engenheiros (OE), que classificou a atuação da ACT de “inaceitável.

Fernando de Almeida Santos garantiu que a Ordem tem tido o cuidado de visitar as poucas obras de alguma dimensão que estão a ser feitas em Portugal, e que a de Foz Tua “tem exemplos de segurança únicos na Europa”.

“Todas as vinte e tal anomalias que foram detetadas, são anomalias menores e foram corrigidas no momento”, defendeu, alegando que as falhas não têm comparação “com aquilo que de bom está em obra”.

O representante dos engenheiros indicou que “cerca de três por cento do valor do custo da obra é gasto em segurança na construção” nesta barragem em que a EDP está a investir mais de 300 milhões de euros.

Fernando de Almeida Santos questionou as “habilitações técnicas” dos inspetores de trabalho para inspecionarem atividades de engenharia, argumentando que “um inspetor tanto entra a verificar uma obra como uma unidade industrial, um comércio ou uma instalação hospitalar”.

A OE acusou ainda a ACT e a tutela governamental de “não terem a coragem política e técnica de rever um regulamento de segurança na construção, que está mais do que obsoleto, esta em vigor desde 1958″.

Fernando de Almeida Santos exortou ainda a ACT a “forçar a saída da lei”, aguardada há uma década, sobre a classificação dos coordenadores de segurança.

Portugal é o único país da Europa que não tem essa qualificação definida, segundo disse.

Para o presidente da zona Norte da OE “situações de autopromoção são desnecessárias” e lamenta que a ACT não “releve pela positiva o muito esforço, o muito que tem sido feito a bem pelos agentes, pela engenharia na segurança” daquela obra.

A construção da barragem de Foz Tua, em Trás-os-Montes, registou quatro acidentes com quatro mortos e oito feridos, em três anos de obra com conclusão está prevista para 2016.

O inspetor-geral da ACT, Pedro Pimenta Braz, adiantou, na terça-feira, que estas ações inspetivas são para continuar, numa altura em decorre o pico da obra, com cerca de 600 trabalhadores, e os riscos aumentam, nomeadamente o perigo de queda em altura com a construção do paredão.

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico aplicado pela Agência Lusa

Construção em Madeira – A Madeira como Material de Construção

livroA madeira, devido às suas características, tem sido um material desde sempre utilizado pelo Homem com inúmeras aplicações (desde estruturais a decorativas, passando até pela construção de aviões). Os fatores que têm possibilitado a sua permanência como matéria-prima de eleição são muitos e variados, podendo destacar-se o facto de ser um material natural, facilmente trabalhável, renovável e com boas características mecânicas, físicas e químicas para um grande leque de utilizações. As inúmeras espécies, tamanhos, formas e cores são capazes de satisfazer praticamente qualquer gosto ou necessidade.

Construir com madeira apresenta inúmeras vantagens sob os mais variados pontos de vista, o que justifica os cerca de 90% de construção habitacional em madeira em regiões desenvolvidas como a Austrália, Escandinávia e América do Norte.

Neste livro começa por se apresentar uma panorâmica sobre a utilização de madeira na atualidade, bem como a evolução das construções de madeira ao longo da história. Os capítulos seguintes expõem a estrutura do material e as suas propriedades físicas, mecânicas e químicas. Abordam-se depois a classificação da madeira e as características dos diversos tipos de produtos de madeira e seus derivados. Por fim, apresentam-se algumas questões relacionadas com a durabilidade, como sejam as causas de degradação e as patologias mais frequentes na madeira, os métodos de preservação, o projeto de durabilidade e os métodos de avaliação da madeira.

SBN: 9789897230523
Autor: Paulo Barreto Cachim
Editora: PUBLINDÚSTRIA

Número de Páginas: 188
Idioma: Português
Data de Edição: 2014

Preço: €14,31 (desconto 10%)

Disponível emwww.engebook.com

Visita já a página do livro (aqui), e encomenda já o teu exemplar com 10% de Desconto.

Índice:

1. Introdução
1.1. A Produção de Madeira em Portugal e na Europa
1.2. A Madeira e o Meio Ambiente

2. A Utilização de Madeira na Construção
2.1. A Utilização Atual de Madeira em Estruturas
2.2. História das Estruturas de Madeira

3. Estrutura da Madeira
3.1. Classificação Botânica
3.2. Anatomia da Madeira
3.3. Composição Química

4. Propriedades da Madeira
4.1. Propriedades Físicas
4.2. Propriedades Mecânicas
4.3. Propriedades Químicas

5. Classificação da Madeira
5.1. Defeitos da Madeira
5.2. Relações entre Propriedades da Madeira
5.3. Definição de Classes de Resistência numa Base Peça a Peça

6. Madeira e Derivados
6.1. Madeira Maciça
6.2. Secções Estruturais de Madeira
6.3. Aglomerados de Madeira

7. Durabilidade
7.1. Degradação da Madeira
7.2. Principais Causas de Patologias nas Construções de Madeira
7.3. Durabilidade
7.4. Preservação
7.5. Resistência e Proteção e ao Fogo
7.6. Avaliação da Madeira

A Editora:

A Publindústria assume como missão estratégica a produção de conteúdos direcionados para a Indústria Transformadora. Entre os seus produtos comunicacionais destacamos a edição de revistas técnico-científicas, uma atividade editorial que iniciou e tem vindo a ser aprofundada desde há 25 anos.

A edição de livros técnicos e manuais universitários é uma área de negócios emergente, um desafio e uma prova do envolvimento da Publindústria com os técnicos e cientistas portugueses. Estão apostados em ocupar o reduzido nicho de mercado do livro técnico nos mais diversos domínios da ciência e tecnologia, que contenham uma forte componente pedagógica e/ou formativa.

OERN – Apresenta Projecto de Integração Profissional do Engenheiro

“És diplomado em engenharia e procuras um lugar no mercado de trabalho? O PIPE2 é para ti!” É o mote lançado pela Ordem dos Engenheiros – Região Norte na sessão pública de apresentação do PIPE2 – Percurso Integração Profissional do Engenheiro e Estagiário que irá decorrer no próximo dia 18 de Junho, na sede regional norte, no Porto, às 15horas.

Preocupada com o contexto atual na engenharia, a OERN desenvolveu este projeto, o qual pretende proporcionar as condições necessárias à realização de estágio a quem comprovadamente não o consiga de forma autónoma ou colaborar com engenheiros que se encontrem em situação de desemprego.

A OERN, que conta com o apoio do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), irá também apresentar a lista de parceiros. Publico.PT, Expresso Emprego, Grupo EGOR, GSR Alemanha, Nestlé, Colep, EMA Partners , PSI Centro e Human Management Systems são alguns dos nomes já confirmados.

Para conhecer melhor o projeto gostaríamos de poder contar com a presença do vosso órgão de informação na cerimónia de lançamento e apresentação pública do PIPE2  Percurso Integração Profissional do Engenheiro e Estagiário.

cartaz_divulgacaoSessaoPublica

Mota-Engil consegue maior contrato da sua história

Mota-engilA construtora Mota-Engil, maior construtora portuguesa, conseguiu o maior contrato da sua história de cerca de 70 anos, ao assegurar a adjudicação de uma empreitada nos Camarões, no valor de cerca de 2,6 mil milhões de euros.

Em comunicado enviado esta sexta-feira à CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Mota-Engil esclarece que “na sequência da comunicação ao mercado efectuada pela Sundance Resources Ltd, entidade cotada na Austrália, a Mota-EngilL informa a adjudicação do contrato de engenharia, ‘procurement’ e construção (EPC) por aquela empresa, no montante de 3,5 mil milhões de dólares (aproximadamente 2,6 mil milhões de euros), à sua subsidiária Mota-Engil Engenharia e Construção África, SA”.

De acordo com o documento, o contrato inclui a construção de 580 quilómetros de linhas ferroviárias e um porto de águas profundas na República dos Camarões. O contrato adjudicado à Mota-Engil inclui ainda a construção de um terminal portuário de águas profundas e dos respectivos estaleiros.

A Mota-Engil sublinha que “esta adjudicação, cuja estruturação do financiamento é coordenada pelo Standard Bank, é bem ilustrativa da capacidade do grupo para, no âmbito do desenvolvimento dos seus negócios em África, se afirmar como ‘solutions provider’ e, deste modo, participar activamente no desenvolvimento integrado de toda a região sub-Sahariana”.

Trabalhador morre em acidente na barragem de Foz Tua

TuaUm trabalhador morreu hoje, por volta da 00:14, num acidente nas obras da barragem de Foz Tua, estando, neste momento, a ser apuradas as causas do sucedido.

O trabalhador, com 50 anos de idade, faleceu vítima de uma queda.

No local, estiveram os Bombeiros Voluntários de Alijó, a Guarda Nacional Republicana e a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Vila Real.