Manual de Manutenção de Edifícios – Guia Prático – 2ª edição

1Com 454 páginas, o livro “Manual de manutenção de edifícios – guia prático” é um livro que qualquer engenheiro civil deve adquirir. Vai já na sua 2a edição.

A manutenção de edifícios é uma actividade complexa que tem ganho cada vez mais importância nos dias que correm.

O constante aumento do custo da electricidade, assim como das matérias primas em geral, torna fundamental aplicarem-se metodologias corretas e adequadas na manutenção de edifícios, de forma a optimizar o rendimento do funcionamento do imóvel.

A complexidade dos conhecimentos necessários para uma correta manutenção dos edifícios vai desde conhecer os materiais básicos até ao conhecimento geral das diversas especialidades existentes nas instalações. Esta acção passa por conhecer os parafusos básicos até às regras de jardinagem ou funcionamento de máquinas de frio.

As exigências operacionais das instalações de dimensão considerável assim como o conhecimento técnico do edifício e do equipamento existente, exige a concretização de uma manutenção adequada e sóbria.

Pela utilização dos edifícios assim como o tempo, surgem diversas variáveis que causam degradação e danos quase irreversíveis nos imóveis, pelo que a (adequada) manutenção de edifícios deve ser uma preocupação constante dos responsáveis de manutenção.

Só através de um conhecimento profundo do edifício, poderá adaptar técnicas e estratégias eficazes para garantir um prolongamento eficaz da vida útil das instalações. Os principais fundamentos a ter em conta na manutenção de edifícios são a Gestão Técnica Centralizada e a gestão orçamental.

Um edifício deve ser seguro e manter um bom estado para evitar riscos desnecessários. A boa manutenção de edifícios prevê e elimina perigos e consequentemente aumenta a sua segurança.

ISBN: 9789897230691

Autores: Hugo Prata

Editora: PUBLINDÚSTRIA

Preço: 29,00€

 

Visita já a página do livro (aqui), e encomenda já o teu exemplar.

 

Índice

Prefácio

Nota do Autor

1. Gestão da Manutenção em Edifícios
2. Manutenção Preditiva
3. Tratamento de Águas
4. Separadores de Ar e Partículas
5. Chillers
6. Torres de Arrefecimento
7. Unidades de Tratamento de Ar (UTA)
8. Postos de Transformação
9. Transformadores de Isolamento
10. Geradores
11. Iluminação
12. Instalação e Manutenção de Bombas e Sistemas de Bombeamento
13. Central de Bombagem para Serviços de Incêndio
14. ATEX – Atmosferas Explosivas
15. Ascensores, Monta-Cargas, Escadas Mecânicas e Tapetes Rolantes
16. Inspeção à Rede de Gás, Avaliação Acústica e Licenciamento de Equipamentos sob Pressão
17. Extintores
18. Registos de Segurança
19. Manutenção de Espaços Verdes

Índice de Figuras
Índice de Tabelas
Bibliografia

Caricas – Pede já a tua Caricatura

Rui Foles, professor e caricaturista, com gosto pela caricatura e o estudo pelo rosto e expressões faciais, fê-lo enveredar por uma carreira paralela ao ensino. Realizando caricaturas a partir de fotografia e ao vivo em eventos.

É na área dos eventos que se quer destacar, alia a sua arte ao convívio salutar, educado e discreto com os convidados, fazendo assim perpetuar no tempo e de forma inesquecível um sorriso ligado a uma marca. Para as marcas será uma mais valia ter o seu publico feliz ao rever-se na caricatura, tendo a folha de base o logo da mesma.
A presença ao vivo terá um custo base de 25€ hora, fora da grande Lx a este custo serão acrescentadas despesas de deslocação.

A caricatura a partir de foto é feita mediante encomenda, bastando para isso o envio de 1 ou 2 fotos para o email: rfoles@gmail.com ou através da sua página: https://www.facebook.com/pages/Caricas/1447341448842483
A caricatura é feita em formato A3, (uma 15€ ou duas 25€ – com portes de envio incluidos)

Alguns exemplos:

1962647_1508867086023252_7715081214982661_n

10603547_1494970297412931_7128335180048357811_n

Livro Edifícios de Adobe – Manual de Manutenção

livroCom 80 páginas e de fácil leitura, o livro “Edifícios de Adobe – Manual de Manutenção” aborda as questões práticas de manutenção de edifícios antigos de adobe, os aspectos a ter em atenção na gestão desta manutenção, nas pequenas reparações a realizar e os erros que não se devem cometer.

Apresenta uma proposta de calendarização das acções de manutenção. É o primeiro Manual de Manutenção de edifícios de adobe apresentado em Portugal.

ISBN: 9789897230738

Autores: Alice Tavares, Aníbal Costa, Humberto Varum

Editora: PUBLINDÚSTRIA

Preço: 8,91 (10% de desconto)

Visita já a página do livro (aqui), e encomenda já o teu exemplar com 10% de Desconto.

Índice:

1. Introdução

2. Porquê um manual de manutenção de edifícios de adobe?

3. Caracterização geral de um edifício de adobe

4. Manutenção preventiva e conselhos de utilização
4.1. Cobertura
4.2. Paredes exteriores
4.3. Portas e janelas
4.4. O interior do edifício
4.5. A envolvente próxima do edifício

5. Lista e calendarização básica de ações de manutenção

6. Erros a evitar em intervenções numa construção de adobe

7. Considerações finais

-Lista de ações de manutenção e correspondente proposta de calendarização

-Registo de anomalias detetadas durante operações de manutenção

-Registo de reparações durante ou após operações de manutenção

 

Formação GYPTEC – Instalação de Sistemas em Placas de Gesso

No mês de Outubro de 2014 a Gyptec Ibérica promove a 2a edição das formações em Instalação de Sistemas em Placas de Gesso.

Estas formações são direcionadas para Aplicadores/Instaladores de sistemas em placas de gesso e decorrem durante as manhãs de

sábado de dia 18 em Braga e dia 25 em Lisboa (Santa Iria de Azóia).

 

As sessões têm como suporte o Manual Técnico da Gyptec, focando-se nos sistemas construtivos, os pormenores e recomendações

de montagem, a suspensão de cargas, o tratamento de juntas e acabamentos, entre outras abordagens relacionadas com as boas

práticas na aplicação de sistemas em placas de gesso.

As formações têm início às 09:00h e terminam às 13:00h. Almoço e coffee break incluídos.

Inscrições: Gratuitas mas limitadas, todos os participantes receberão:

• Exemplar do Manual Técnico de Instalação de Sistemas em Placa de Gesso

• Certificado de participação na formação.

A inscrição deverá ser enviada para o e-mail: apoiotecnico@gyptec.eu

Destinatários: aplicadores/instaladores de sistemas em placas de gesso.

Data e local:

• Dia 18 em Braga, Hotel Mercure Braga Centro

• Dia 25 em Lisboa, Hotel Vip Executive Santa Iria

Links relacionados:

http://www.gyptec.eu/formacao_aplicacao2014.php

http://www.gyptec.eu/newsletter/2014/formacao_outubro/index.html

Vão Faltar Engenheiros, diz a OE

Ordem dos Engenheiros“Daqui a cinco anos vai haver défice de engenheiros na área da construção civil”, disse o bastonário da OE como comentário ao número de estudantes que entrou no curso de Engenharia Civil este ano.

Carlos Matias Ramos questiona ainda: “O Plano Estratégico de Infra-estruturas de Transportes prevê um investimento de seis mil milhões de euros até 2020. Que condições terá o país para dar resposta a este plano, no prazo fixado, se não tivermos cá engenheiros e se não prepararmos engenheiros para o futuro?”.

Pessoalmente gostava que ele tivesse razão. Que efectivamente houvesse trabalho em Portugal para todos os engenheiros civis. Mas todos sabemos que isso não será uma realidade.

Será que diminuindo o número de engenheiros, os salários aumentarão?? Devia ser. Mas também não acontecerá. Continuarão todos a receber os 700€ da praxe

Estudantes continuam a fugir de Engenharia Civil

Entre os cursos com zero alunos colocados no acesso ao ensino superior 2014, 11 são de Engenharia Civil.

Fará sentido manter este curso em tantas Universidades e Institutos Politécnicos?

Nenhum curso (nem mesmo IST e FEUP) conseguir colocar mais de 100 pessoas o que é sintomático da crise que a construção civil atravessa no momento. Por exemplo em 2006 entraram 180 alunos de ENg. Civil na FEUP. em 2014 entraram 158 no país inteiro. Comecará a haver trabalho para engenheiros civis em Portugal??

Eis o mapa completo com colocações e vagas 2013 e 2014 do curso de eng. civil (versão Eng. Hugo Santos. A original pode ser consultada aqui):

eng civil


Curso BIM

Numa organização conjunta entre a Ordem dos Engenheiros, a Universidade do Minho, o Instituto Superior Técnico e a Universidade do Porto, será realizada a segunda edição do curso de Building Information Modeling (BIM) com início em Outubro de 2014 e decorrendo em Lisboa e Porto. O curso destina-se a empresas/profissionais e estudantes interessados na implementação de metodologias colaborativas BIM nos processos produtivos da indústria AEC (Arquitetura, Engenharia e Construção).

Para informação detalhada sobre conteúdos e inscrições, visite: www.cursobim.com

BIM

Vídeo da queda de viaduto em Belo Horizonte

Um viaduto desabou na  passada quinta-feira em Belo Horizonte (Brasil), provocando a morte de pelo menos duas pessoas e ferimentos em 19.

A obra fazia parte das estruturas principais do Mundial, mas ainda não estava acabada. Fazia parte desta obra o viaduto e uma avenida.

O momento da queda ficou registado em vídeo:


Prédio de 30 andares é construído em 15 dias

predioUm prédio de 30 andares construído em apenas 15 dias, na província de Hunan, na China, é a nova façanha de uma construtora chinesa China Broad Group. A empresa, que já tinha erguido um edifício de 15 andares em uma semana, multiplicou o desafio por dois e bateu novo recorde, graças a tecnologias mais ecológicas.

O edifício de 17.000m², um hotel cinco estrelas inaugurado em dezembro de 2011, foi construído tão rapidamente por conta de secções pré-fabricadas e encaixadas numa estrutura de aço, evitando desperdício de energia e de materiais.

Por terem sido fabricadas sob medida, as placas reduziram o tempo de obra e ainda diminuíram em seis vezes a quantidade de cimento normalmente usada numa construção deste porte – o material cerâmico é responsável por altas emissões de CO2 na atmosfera. Além de económico e mais sustentável, o prédio é seguro e preparado para sismos de até 9 pontos da escala Richter.

A empresa pretende usar os mesmos métodos ecológicos para levantar outros 150 prédios nos moldes do hotel chinês.

Abaixo o vídeo que mostra o processo de construção do prédio:

Read more

Ordem dos Engenheiros considera inaceitável atuação da ACT na barragem do Tua

Ordem dos EngenheirosFernando de Almeida Santos garantiu que a Ordem tem tido o cuidado de visitar as poucas obras de alguma dimensão que estão a ser feitas em Portugal, e que a de Foz Tua “tem exemplos de segurança únicos na Europa”.

O presidente da região Norte da Ordem dos Engenheiros insurgiu-se hoje contra a atuação da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) na barragem do Tua, defendendo que a obra é exemplar ao nível da segurança na construção.

A posição de Fernando de Almeida Santos surge na sequência da ação inspetiva realizada, na terça-feira, pela ACT em Foz Tua, com a participação do diretor-geral Pedro Pimenta Braz, que deu conta de que foram feitas 30 notificações e levantados vários autos por falhas de segurança e outras irregularidades detetadas nos estaleiro.

“Fico absolutamente apreensivo com este ato de publicidade feito pelo nosso inspetor-geral do Trabalho, não é mais do que um ato de publicidade e de autopromoção nas televisões todas”, declarou à Lusa o dirigente regional da Ordem dos Engenheiros (OE), que classificou a atuação da ACT de “inaceitável.

Fernando de Almeida Santos garantiu que a Ordem tem tido o cuidado de visitar as poucas obras de alguma dimensão que estão a ser feitas em Portugal, e que a de Foz Tua “tem exemplos de segurança únicos na Europa”.

“Todas as vinte e tal anomalias que foram detetadas, são anomalias menores e foram corrigidas no momento”, defendeu, alegando que as falhas não têm comparação “com aquilo que de bom está em obra”.

O representante dos engenheiros indicou que “cerca de três por cento do valor do custo da obra é gasto em segurança na construção” nesta barragem em que a EDP está a investir mais de 300 milhões de euros.

Fernando de Almeida Santos questionou as “habilitações técnicas” dos inspetores de trabalho para inspecionarem atividades de engenharia, argumentando que “um inspetor tanto entra a verificar uma obra como uma unidade industrial, um comércio ou uma instalação hospitalar”.

A OE acusou ainda a ACT e a tutela governamental de “não terem a coragem política e técnica de rever um regulamento de segurança na construção, que está mais do que obsoleto, esta em vigor desde 1958″.

Fernando de Almeida Santos exortou ainda a ACT a “forçar a saída da lei”, aguardada há uma década, sobre a classificação dos coordenadores de segurança.

Portugal é o único país da Europa que não tem essa qualificação definida, segundo disse.

Para o presidente da zona Norte da OE “situações de autopromoção são desnecessárias” e lamenta que a ACT não “releve pela positiva o muito esforço, o muito que tem sido feito a bem pelos agentes, pela engenharia na segurança” daquela obra.

A construção da barragem de Foz Tua, em Trás-os-Montes, registou quatro acidentes com quatro mortos e oito feridos, em três anos de obra com conclusão está prevista para 2016.

O inspetor-geral da ACT, Pedro Pimenta Braz, adiantou, na terça-feira, que estas ações inspetivas são para continuar, numa altura em decorre o pico da obra, com cerca de 600 trabalhadores, e os riscos aumentam, nomeadamente o perigo de queda em altura com a construção do paredão.

*Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico aplicado pela Agência Lusa