Archive for 29/07

Multimilionário grava nome em ilha privada

O Sheik Hamad Bin Hamdan Al Ahyan, multimilionário (e excêntrico) dos Emirados Árabes Unidos teve a ideia bizarra de colocar o seu nome na sua ilha privada (Al Futaisi). Acabou de anunciar no Facebook a conclusão desta obra.

Consiste na construção de um canal em que se pode ler “HAMAD”, primeiro nome deste sheik. Cada letra tem mais de meio quilómetro de comprimento, sendo que a obra tem na totalidade mais de 3 quilómetros.

A obra pode ser vista no google earth, colocando o nome da ilha (Al Futaisi).

Mota-Engil, Teixeira Duarte e Soares da Costa no TOP 50

As construtoras portuguesas Mota-Engil, Teixeira Duarte e Soares da Costa integram o ‘ranking’ das 50 maiores empresas de construção da Europa, segundo um estudo da consultora Deloitte. Este estudo, intitulado “European Powers of Construction 2010”, concluiu que os três grupos facturaram, em conjunto, 4,3 mil milhões de euros no ano passado, um valor que compara com os 3,8 mil milhões de euros registados em 2008.

Das três construtoras portuguesas incluídas no estudo, que apresenta o ‘ranking anual das 50 maiores empresas europeias de construção baseando-se no volume de negócios, a Mota-Engil é, à semelhança das últimas edições, a melhor classificada.

A Mota-Engil, é a empresa portuguesa em melhor posição (30º), com cerca de dois mil milhões de euros de volume de negócios no ano fiscal de 2010, acima dos 1,8 mil milhões registados em 2008.

Surge depois o grupo Teixeira Duarte, que ocupa a 37.ª posição, com 1,4 mil milhões de euros, face aos 1,3 mil milhões de euros de 2008 e, por fim, na 47ª posição, o grupo Soares da Costa com um volume de negócios de 894 milhões de euros, acima dos 59 milhões de euros de 2008.

O primeiro lugar da tabela é, à semelhança das edições anteriores do estudo, ocupado pela francesa Vinci, com um volume de negócios total de cerca de 33 mil milhões de euros, no ano fiscal de 2010.

Seguem-se a Bouygues (França), a Hochtief (Alemanha), a ACS (Espanha) e a Eiffage (França).

Prevenção de Impactos Ambientais dos Estaleiros de Construção em Centros Históricos Urbanos

Escrito por Armanda Couto e João Couto, dois engenheiros civis formados na Universidade do Minho, o livro “Prevenção de Impactos Ambientais dos Estaleiros de Construção em Centros Históricos Urbanos” pode ser considerado um livro de interesse para todos os engenheiros civis e estudantes de engenharia civil.

Muitos queixam-se que não compram livros porque são caros. No entanto este é um bom exemplo de como isso está errado: custa apenas 5,40€ na Engebook.

Escrito em 2008, compila em 88 páginas um conjunto de considerações para se minimizar os impactos ambientais dos estaleiros de obras em centros históricos.

O seu resumo pode ser consultado aqui.

Índice

1. INTRODUÇÃO
1.1 Considerações gerais
1.2 Impactos negativos provocados pelos estaleiros de construção
1.2.1 Produção de resíduos
1.2.2 Lamas nos arruamentos
1.2.3 Produção de poeiras
1.2.4 Poluição da água e do solo e danificação das redes de drenagem
1.2.5 Danificação de vegetação arbórea
1.2.6 Impacto visual
1.2.7 Ruído
1.2.8 Aumento do volume de tráfego e ocupação da via pública
1.2.9 Danificação do espaço público

2. MEDIDAS DE PREVENÇÃO E MINIMIZAÇÃO DOS IMPACTOS DOS ESTALEIROS
2.1 Generalidades
2.2 Relacionamento entre intervenientes da obra e população
2.3 Produção de resíduos e sua minimização
2.3.1 Fontes e causas da produção de resíduos
2.3.2 Porquê minimizar a produção de resíduos
2.3.3 Hierarquia de gestão dos resíduos
2.3.3.1 Redução da produção de resíduos
2.3.3.2 Reutilização dos materiais
2.3.3.3 Reciclagem
2.3.4 Demolição selectiva
2.3.5 Medidas para a minimização dos resíduos nos estaleiros
2.4 Lamas nos arruamentos
2.4.1 Porquê prevenir as lamas nos arruamentos
2.4.2 Como minimizar as lamas nos arruamentos
2.5 Produção de poeiras
2.5.1 A importância da minimização das poeiras
2.5.2 Medidas de controlo das poeiras
2.6 Poluição das águas e do solo e danificação das redes de drenagem
2.6.1 A importância da prevenção
2.6.2 Medidas preventivas da poluição das águas e do solo e danificação das redes de drenagem
2.7 Protecção das árvores
2.7.1 A importância da árvore no meio urbano
2.7.2 Como proteger as árvores
2.8 Impacto visual
2.8.1 A importância do impacto visual
2.8.2 Medidas para a sua minimização
2.8.3 Outras medidas para a minimização do impacto visual das obras
2.9 Ruído
2.9.1 A importância da prevenção do ruído
2.9.2 Medidas que visam a prevenção do ruído emitido pelos estaleiros de construção
2.9.3 Como prevenir o ruído nos estaleiros de construção
2.10 Aumento do volume de tráfego e ocupação da via pública
2.10.1 Porquê minimizar estes impactos
2.10.2 Medidas de minimização
2.11 Danificação do espaço público
2.12 Outras medidas preventivas
2.12.1 Redução do peso das construções
2.12.2 Utilização de tecnologias adequadas de contenção de terras
2.12.3 Utilização de sistemas de contenção de fachadas
2.12.4 Utilização de sistemas pré-fabricados
2.12.5 Planeamento e preparação da obra adequados

BIBLIOGRAFIA

Oficialmente à Procura de Emprego

Finalizado o Mestrado Integrado em Engenharia Civil, encontro-me neste momento disponível para embarcar para um novo desafio: o competitivo mundo do trabalho.

Assim, venho por este meio manifestar a minha disponibilidade para ingressar numa empresa para realizar estágio.

Algumas Informações:

Universidade: FEUP

Opção 5º ano: Construções Civis

Disciplinas 5º Ano: Direcção de Obras; Fiscalização de Obras; Manutenção e Reabilitação de Edifícios; Patologia e Reabilitação de Edifícios; Instalações de Edifícios; Acústica Ambiental e de Edifícios;

Disponibilidade Geográfica: Total. Disponibilidade para trabalhar em qualquer zona de Portugal ou Estrangeiro;

Para mais informações é favor contactarem pelo e-mail de contacto habitual: engenhariaportugal[arroba]gmail[ponto]com ou utilizem o formulário de contacto aqui. Enviarei o meu Curriculum Vitae assim como darei todas as informações que sejam necessárias.

Obrigado!

15 trabalhadores para tapar um buraco

Podia ter sido filmado em Portugal. No entanto, o caso passou-se na Bélgica.

A Ponte Salazar em 1966

Metro de Lisboa “mete água”

A estação do metro do Terreiro do Paço apresenta fissuras que podem por em causa o tempo de vida útil das estruturas em causa.

A entrada de água é visível dentro da estação e na parte inicial do túnel que vai até ao Cais do Sodré.

Consultado um pela SIC um engenheiro civil com mais de 30 anos de experiência e conhecedor da obra, este ficou preocupado com o que viu, afastando a possibilidade de perigo imediato.

Deverão assim ser tomadas medidas de acção correctivas para que o tempo de vida útil não fique comprometido. Além disso, se esta reparação for feita fora da garantia da obra, será o Estado a pagar a factura.

TGV nas mãos de Passos

Trabalhos na linha Poceirão-Caia estão «completamente» parados, com empresas à espera de clarificação do Executivo. Tribunal de Contas afasta possíveis indemnizações.

O administrador da empresa portuguesa detida pela brasileira Andrade Gutierrez diz estar «na expectativa de que, dentro deste novo quadro político e económico, seja encontrada uma solução». Já o presidente da Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário, Reis Campos, explica ao SOL que as empresas estão «a enfrentar um problema político».

Acontece que o poder de decisão sobre a continuidade ou não deste projecto está agora nas mãos do novo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e do ministro das Finanças, Vítor Gaspar. Todas as entidades envolvidas estão à espera de orientações e nem mesmo o Ministério da Economia, que tem a tutela das obras públicas, terá a palavra final. Fonte oficial do gabinete de Álvaro Santos Pereira disse ao_SOL que o ministro aguarda orientações de S. Bento e do Terreiro do Paço.

No Programa do_Governo, o_Executivo compromete-se a «suspender o projecto de alta velocidade Lisboa – Madrid», mas deixa a porta aberta à sua continuidade. «Poderá sujeitar-se o projecto a uma reavaliação, incluindo o seu conteúdo e calendário, numa óptica de optimização de custos», lê-se no documento.

O financiamento para a construção da linha já está assegurado, com o Banco Europeu de Investimento a garantir 600 milhões de euros e os fundos europeus do_QREN e da rede transeuropeia de transportes mais 662 milhões, ou seja, três quartos do total.O restante montante será assegurado pelo_Estado português – 116 milhões –, pela empresa pública REFER – 60 milhões –, pela banca comercial – 90 milhões – e por fundos próprios do consórcio – 150 milhões.

In SOL

Ganhe Viagem às Maldivas

Porque nem tudo é engenharia civil, por vezes é necessário descansar um bocado para ganhar energia para o trabalho.

Para isso, nada mais que uma viagem às Maldivas completamente grátis. Estão a ser oferecidas viagens de 30mil em 30mil participantes. Para se habilitar basta carregar no banner e preencher nome e e-mail.

Habilita-se também a ganhar vouchers para hotéis espalhados pelo país.



Ramos Catarino em Sevilla

A construtora Ramos Catarino vai ser responsável pelos trabalhos de reabilitação das coberturas e fachadas do Consulado de Portugal em Sevilha, prosseguindo assim a consolidação no mercado espanhol.

Com um prazo de execução de três meses, a empresa garante que se trata de “uma obra de grande responsabilidade no que concerne ao rigor e ao cuidado nos pormenores na recuperação de edifícios históricos”. O Consulado de Portugal ocupa um Edifício “singular”,construído para a Exposição Ibero-americana realizada em Sevilha de 1929, onde se assumiu como Pavilhão de Portugal, pelo que ostenta alguns dos símbolos mais emblemáticos do Estado português no primeiro quartel do séc. XX.

A adjudicação de mais este projecto corresponde ao crescimento sustentado que a Ramos Catarino tem vindo a conquistar no território espanhol com a execução de obras para clientes prestigiados em diversas áreas, como: sedes empresariais, espaços comerciais, distribuição e logística, áreas de serviço, unidades hoteleiras e instituições bancárias.

Recorde-se que a Ramos Catarino foi galardoada na cerimónia dos Prémios Construir 2011, na categoria “Melhor Empresa de Reabilitação”

In Construir