Tag Archive for engenharia civil

Calma, amanhã sabes o vencedor!

Uma vez que atingimos os 100 subscritores, procedemos ao sorteio do livro, tal como combinado. Por isso, já está encontrado o vencedor do livro oferecido pela EngeBook!

Amanhã às 00h01 (mais coisa menos coisa) é apresentado o grande vencedor…

 

Ordem dos Engenheiros admite membros com curso de 3 anos

A Assembleia de Representantes da Ordem dos Engenheiros aprovou, em 9 de Julho, alterações significativas ao Regulamento de Admissão e Qualificação (RAQ), permitindo a implementação da decisão do mesmo órgão, tomada a 26 de Março, de admitir membros detentores do grau de licenciado em Engenharia (licenciatura de três anos pós-Bolonha).

Nos requisitos para admissão à Ordem dos Engenheiros (OE), mantém-se o que estipula o respectivo estatuto, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 119/92, de 30 de Junho, e que compreende a obtenção de um grau académico do ensino superior em curso de engenharia, provas de admissão à Ordem e estágio.

Com a presente revisão do RAQ, inicia-se na OE um novo ciclo, relativo à adaptação da profissão de Engenheiro ao desafio colocado pelo Processo de Bolonha, mantendo-se a mesma determinação na promoção da qualidade da Engenharia em Portugal, através da atribuição do título profissional de Engenheiro e do reconhecimento de qualificações profissionais individuais, ajustadas ao nível de conhecimentos, aptidões e competências na admissão, garantindo condições de valorização e de reconhecimento do desenvolvimento profissional ao longo da carreira.

Com esta decisão histórica, a OE, para além de se posicionar perante os desafios do futuro, mantém como princípio orientador a afirmação das exigências de qualidade que sempre nortearam os seus objectivos, regulando desta forma a actividade dos engenheiros, com o propósito de poder continuar a garantir a confiança pública e o reconhecimento pela Sociedade e pelo Estado.

Lisboa, 11 de Julho de 2011

Carlos Matias Ramos
Bastonário da Ordem dos Engenheiros

250 cartões de visita grátis

Mais uma oportunidade: possibilidade de obter gratuitamente 250 cartões de visita grátis (paga apenas os portes de envio de 5,25€).

Quem oferece é a Vista Print, empresa na qual 8 milhões de pessoas por ano encomendam os seu cartões de visita.

Todos os profissionais devem usar cartões de visita para trocar com os seus pares. Apesar de com a banalização da troca de contactos por telemóvel, um cartão de visita é sempre um cartão de visita.

O cartão transmite a imagem do profissional e da empresa, não sendo apenas um simples papel onde está escrito o teu contacto. Obviamente que também podem ser usados apenas “para o estilo”.

Estão disponíveis variados templates de  cartões de visita, sendo apenas necessário escolher escolher o estilo que mais se adequa, introduzir os dados de contacto e criar os teus 250 cartões de visita grátis (portes: 5,25€)!

O único senão é ter publicidade à vista print nas parte de trás do cartão. Esta pode ser eliminada pagando mais um bocado do que os portes.

Quem quiser algo ainda mais profissional também tem disponível a versão paga em que permite colocar logótipo e fotografias, entre outros.

Para encomendarem, cliquem no banner.Qualquer dúvida comuniquem pois já sei de cor como funciona isto porque já encomendei para um familiar.


Construções Sobre o Mar

Vai avançar ainda este ano um projecto de construção de um bairro sobre o mar na Dinamarca. Com a falta de terrenos para construir e, também, para poupar os espaços verdes de Copenhaga , o governo local optou por obras em extensão da região portuária da cidade.

O futuro bairro da região portuária da cidade deverá abrigar cerca de 40 mil habitantes, além de 40 mil postos de trabalho. Quando construídos os edifícios somarão 4 milhões de metros quadrados de área útil.

O projecto foi desenvolvido por pelos escritórios Cobe e Sleth Modernism e os consultores Polyform e Rambøll, visa estabelecer novos padrões para a nova cidade-bairro, tendo como objectivo minimizar as emissões de CO2 e o impacto das alterações climáticas de uma forma rentável.

Seis temas deram o mote para a criação deste bairro: ilhotas e canais, identidade e história, cidade de cinco minutos, azul e verde da cidade, cidade CO2 amigável e grade inteligente.

O custo da obra, ainda não estimado, mas será dividido entre o governo e as empresas que se instalarem na região. A previsão é que uma primeira parte fique pronta em 2025. A conclusão do projecto deve acontecer somente em 2050.

In Construção Magazine

Vencedores Prémios Construir 2011

Já são conhecidos os vencedores dos “Prémios Construir 2011”, entregues no Casino de Lisboa, cujo objectivo é distinguir aquelas empresas, obras e personalidades que mais se destacaram no ano transacto.

A votação ficou a cargo dos subscritores da newsletter do Jornal Construir, como aqui já noticiamos.

Eis a Lista Completa de Vencedores:

-ENGENHARIA
Prémio Melhor Projecto
Museu do Côa (GOP – Gabinete de Organização de Projectos)

Prémio Fiscalização e Coordenação
DHV

Prémio Melhor Gabinete
Coba

Prémio Personalidade
Carlos Pina (Presidente do LNEC)

-IMOBILIÁRIO

Melhor Edifício de Escritórios
Edifício Vodafone Porto (Vodafone)

Melhor Edifício Comercial
Aqua Portimão (Bouygues Imobiliária)

Melhor Edifício Residencial
Estoril Sol Residence (Fundor)

Melhor Empreendimento Turístico
Hotel Marinha Palace The Oitavos (Marinha Palace Hotel)

Melhor Promotor
Sonae Sierra

Melhor Consultora
CB Richard Ellis

-ARQUITECTURA

Melhor Projecto Público
Pavilhão de Portugal para a Expo 2010 (Carlos Couto)

Melhor Projecto Privado
Centro da Fundação Champalimaud (Charles Correa)

Melhor Projecto Recuperação
Recuperação da Fábrica de Manteiga da Calheta (MSB Arquitectos)

Melhor Atelier
Saraiva & Associados

Prémio Personalidade
Eduardo Souto de Moura

-CONSTRUÇÃO

Prémio Reabilitação
Ramos Catarino

Prémio Internacionalização
MonteAdriano

Prémio Sustentabilidade
Natura Towers (MSF)

Melhor Construtora
Mota-Engil

Prémio Personalidade
Ricardo Pedrosa Gomes (presidente da FEPICOP)

PRÉMIO EXCELÊNCIA
Professor Gonçalo Ribeiro Telles
Arquitecto Paisagista

Notas de Trabalhos Escolares são Aleatórias

A frase é polémica, mas é verdade para a maior parte dos trabalhos que se fazem na Universidade. Nunca acharam que o vosso trabalho foi subvalorizado ou sobrevalorizado?

Para lhes provar esta minha teoria, dou-lhes apenas três exemplos do meu tempo de estudante:

Exemplo 1:

Dois trabalhos entregues exactamente iguais, entregues ao mesmo professor (mas em anos diferentes). O que entregou no ano anterior teve 12, o que entregou no seguinte 16. Tudo bem, podiam ter mudado os critérios de correcção.

Exemplo 2:

Dois trabalhos entregues exactamente iguais, entregues a professores diferentes (no mesmo ano). Mais uma vez, notas diferentes. Critérios diferentes também podem ser a justificação, mas não seria justo.

Exemplo 3:

Professor admite que apenas lê as conclusões dos trabalhos (segundo ele, “por vezes nem isso”)

Se assim é, porque é que andamos a perder tempo com trabalhos, a maioria deles com o rótulo de “meramente académico”  ou de “na prática não se faz nada disto”? Não podia o tempo ser rentabilizado de uma forma mais útil.

Fica a minha opinião.

Guest post de leitor identificado 

 

 

O melhor site de empregos português

Todos sabem que cada vez está mais difícil para os engenheiros civis encontrar emprego. Daí que todas as ferramentas que nos ajudem a encontrá-lo devem ser considerados uma mais-valia.

O site Net-empregos é o considerado por muitos o melhor site de procura de emprego de portugal, contando com cerca de 64 500 empresas registadas.

Façam como eu e registem-se no site e recebam diariamente ofertas de emprego nesta nossa área e aumentem a probabilidade de encontrar emprego.

Para isso, basta inscreverem-se clicando aqui ou no banner em cima.

Oportunidades de emprego na Noruega

No âmbito das actividades promovidas pela rede EURES (integradas no IEFP), irá ser realizado no próximo dia 29 de Junho, a partir das 14h00 e no ISEL (Instituto Superior de Engenharia de Lisboa), o evento “Want to work as an Engineer in Norway?”.

Este evento visa:

– por um lado, alargar o leque de oportunidades de emprego ao dispor dos candidatos a emprego na área das Engenharias, possibilitando a diversificação das suas experiências de trabalho e a aposta numa carreira internacional;

– por outro, corresponder às necessidades identificadas de profissionais na área das Engenharias na Noruega (um país que vem, desde 2007, trabalhando com o EURES Portugal com algum sucesso na integração de profissionais neste domínio).

O evento contará com a presença de Conselheiras EURES da Noruega e de empresas norueguesas, a recrutar em diversos segmentos das Engenharias. O programa integrará:

– uma sessão sobre condições de vida e trabalho na Noruega;

– apresentações das empresas participantes;

– contacto directo entre candidatos e empregadores, em particular no âmbito das necessidades de recrutamento em divulgação;

– aconselhamento personalizado EURES aos participantes que o requeiram (sujeito a disponibilidade de agenda, a gerir face ao número de participantes).

No caso da Noruega, as necessidades de recrutamento na área das Engenharias não são de curto prazo, perspectivando-se que possam continuar a existir novos momentos de recrutamento (estando o próximo previsto para 21 e 22 de Outubro, em Aveiro, no âmbito dos Dias Europeus do Emprego).

Mais informamos que a seguinte notícia, bem como as necessidades de recrutamento específicas das entidades empregadoras no presente momento, se encontram em divulgação no Portal do IEFP, no NETemprego e no site nacional do EURES.

Para ver mais algumas informações, clique aqui.

Engenharia Civil é difícil?

Muita gente tem-me perguntado por e-mail se o curso de Engenharia Civil é difícil. A resposta é curta e simples: NÃO é difícil!

Existe um mito de que as engenharias são cursos que facilmente se entra e que dificilmente se sai. Na minha opinião isso é mais mito que realidade. Quando se está num curso que se gosta (mesmo que se apanhe algumas disciplinas que não servem praticamente para nada), aprende-se com facilidade e praticamente não é preciso estudar.


No entanto, há que ter cuidado com os primeiros anos com as matemáticas para que se evite  começar o curso “manco”. É um facto que quem começa “manco” terá mais dificuldade em acabar o curso em 5 anos (ou 3 dependendo do curso).  Se se deixa duas ou três disciplinas no primeiro ano aquilo pode transformar-se numa bola de neve incontrolável. É preciso também ter cuidado com uma ou outra disciplina de 3º e 4º anos que nos pode fazer tropeçar.

Obviamente que a maior ou menor dificuldade vai depender da pessoa. Enquanto que para o Ronaldo jogar futebol é muito fácil, para mim que tenho dois pés esquerdos é bem mais complicado. Num curso de engenharia é a mesma coisa. Uns vão ter mais aptidão que outros. Daí que uns vão ter mais dificuldades do que outros. E esses vão ter que estudar mais não há volta a dar.

O segredo para se tornar fácil um curso de engenharia civil? Nunca faltar a nenhuma aula prática. São neste tipo de aulas que se aprende realmente aquilo que é necessário saber. As teóricas, por sua vez, também são importantes. No entanto considero estas últimas mais dispensáveis que as práticas.

Claro que toda a gente conhece gente que não consegue acabar o curso no período de tempo previamente estabelecido. Porquê? A maioria não se adaptou bem à universidade nos primeiros anos. Outros baldaram-se às aulas.

Se a pergunta fosse: “é fácil tirar boas notas em engenharia civil?”. Aí a minha opinião seria ligeiramente diferente.

Conclusão: o curso de engenharia civil não é nada difícil. É preciso ter cuidado com algumas disciplinas, mas não é nada de muito extraordinário. Vão às aulas, estejam atentos e façam bons apontamentos. Depois correrá tudo bem!

Matrículas a novos tipos de Máquinas Industriais

No âmbito do processo gradual de atribuição de matrículas às máquinas industriais, previsto na Deliberação n.º 781/2008, de 18 de Março de 2008, foi publicada a Deliberação n.º 1249/2011, de 8 de Junho, a qual vem autorizar a atribuição de matrícula às máquinas constantes no anexo I do Decreto-Lei n.º 107/2006, de 6 de Junho (Regulamento de Atribuição de Matrícula a Máquinas Industriais), com a excepção das Retroescavadora (RE) e das Auto-grua (AG). Recorda-se que o prazo para a atribuição de matrícula destes dois tipos de máquinas industriais decorre até 31-12-2011, segundo a Deliberação n.º 1985/2010, de 4 de Novembro.

 

Nestes termos, inicia-se a partir de 8 de Junho de 2011 o processo de atribuição de matrícula das seguintes máquinas:

 

  • Autobetoneira (AB);
  • Autovarredora (AS);
  • Bomba lança betão (BL);
  • Cilindro compactador (CC);
  • Escavadora (ES);
  • Empilhador (EM);
  • Grupo compressor (GC);
  • Grupo gerador (GG);
  • Marcador de rodovia (MR);
  • Motoniveladora (MT);
  • Pá carregadora (PC);
  • Perfuradora (PE);
  • Plataforma elevatória (PL);
  • Pavimentadora (PV);
  • Tractor industrial (TI);
  • Unidade de transporte (UT).

Para consultar a Deliberação nº1249/2011. de 8 de Junho, clique aqui.

in AICCOPN