Tag Archive for universidade

Notas de Trabalhos Escolares são Aleatórias

A frase é polémica, mas é verdade para a maior parte dos trabalhos que se fazem na Universidade. Nunca acharam que o vosso trabalho foi subvalorizado ou sobrevalorizado?

Para lhes provar esta minha teoria, dou-lhes apenas três exemplos do meu tempo de estudante:

Exemplo 1:

Dois trabalhos entregues exactamente iguais, entregues ao mesmo professor (mas em anos diferentes). O que entregou no ano anterior teve 12, o que entregou no seguinte 16. Tudo bem, podiam ter mudado os critérios de correcção.

Exemplo 2:

Dois trabalhos entregues exactamente iguais, entregues a professores diferentes (no mesmo ano). Mais uma vez, notas diferentes. Critérios diferentes também podem ser a justificação, mas não seria justo.

Exemplo 3:

Professor admite que apenas lê as conclusões dos trabalhos (segundo ele, “por vezes nem isso”)

Se assim é, porque é que andamos a perder tempo com trabalhos, a maioria deles com o rótulo de “meramente académico”  ou de “na prática não se faz nada disto”? Não podia o tempo ser rentabilizado de uma forma mais útil.

Fica a minha opinião.

Guest post de leitor identificado 

 

 

Engenharia Civil é difícil?

Muita gente tem-me perguntado por e-mail se o curso de Engenharia Civil é difícil. A resposta é curta e simples: NÃO é difícil!

Existe um mito de que as engenharias são cursos que facilmente se entra e que dificilmente se sai. Na minha opinião isso é mais mito que realidade. Quando se está num curso que se gosta (mesmo que se apanhe algumas disciplinas que não servem praticamente para nada), aprende-se com facilidade e praticamente não é preciso estudar.


No entanto, há que ter cuidado com os primeiros anos com as matemáticas para que se evite  começar o curso “manco”. É um facto que quem começa “manco” terá mais dificuldade em acabar o curso em 5 anos (ou 3 dependendo do curso).  Se se deixa duas ou três disciplinas no primeiro ano aquilo pode transformar-se numa bola de neve incontrolável. É preciso também ter cuidado com uma ou outra disciplina de 3º e 4º anos que nos pode fazer tropeçar.

Obviamente que a maior ou menor dificuldade vai depender da pessoa. Enquanto que para o Ronaldo jogar futebol é muito fácil, para mim que tenho dois pés esquerdos é bem mais complicado. Num curso de engenharia é a mesma coisa. Uns vão ter mais aptidão que outros. Daí que uns vão ter mais dificuldades do que outros. E esses vão ter que estudar mais não há volta a dar.

O segredo para se tornar fácil um curso de engenharia civil? Nunca faltar a nenhuma aula prática. São neste tipo de aulas que se aprende realmente aquilo que é necessário saber. As teóricas, por sua vez, também são importantes. No entanto considero estas últimas mais dispensáveis que as práticas.

Claro que toda a gente conhece gente que não consegue acabar o curso no período de tempo previamente estabelecido. Porquê? A maioria não se adaptou bem à universidade nos primeiros anos. Outros baldaram-se às aulas.

Se a pergunta fosse: “é fácil tirar boas notas em engenharia civil?”. Aí a minha opinião seria ligeiramente diferente.

Conclusão: o curso de engenharia civil não é nada difícil. É preciso ter cuidado com algumas disciplinas, mas não é nada de muito extraordinário. Vão às aulas, estejam atentos e façam bons apontamentos. Depois correrá tudo bem!

Assédio na Universidade

Impulsionada por alguns desabafos da Liliana e aproveitando o facto do blogue Engenharia Portugal ter como público-alvo Estudantes de Engenharia e Engenheiros Civis vou relatar algo que me aconteceu há uns anos atrás:

Era eu ainda aluna de Engenharia Civil numa faculdade da zona de Lisboa. No meio de muito spam que recebia, surgiu um e-mail de um professor: “Cara aluna, gostaria que viesse falar comigo ao meu gabinete. Beijinho”. Confesso que estranhei aquele “ beijinho” do final. Mas talvez por ser nova na universidade não estava perfeitamenteconsciente do tipo de tratamento entre professores e alunos. E lá fui eu feita parva ver o que ele queria (com a pulga atrás da orelha).

Mal entro, manda-me fechar a porta. Depois, declara-se! Disse que estava apaixonado por mim, que não aguentava mais os olhinhos que lhe fazia (ou supostamente fazia), etc… A minha primeira reacção foi dar-lhe um estalo. Mas por respeito, fiquei a ouvir o que ele me estava a dizer e obviamente que nem lhe dei palha! Só me apetecia meter num buraco.

Quando ele começou a ver que não ia conseguir nada, passa para o ataque: “Sabe como funcionam as coisas aqui: um 10 tanto pode ser 15 como 7!”. Confesso que fiquei um bocado boquiaberta com aquela conversa! Mas eu não sou subornável. Eu ignorei-o e mal tive oportunidade saí do gabinete dele. Nunca mais tive coragem de o olhar na cara desse estupor :s Ainda pensei em fazer queixa, mas não me quis expor.

Moral da história: em 5 anos apenas reprovei à disciplina de que este professor era regente. Só a consegui fazer à terceira tentativa, sendo apenas aprovada precisamente no ano em que este professor não era o regente! Coincidência? Talvez. Foi o factor psicológico que me fez reprovar? Nunca saberei. Felizmente foi no início do curso. Caso contrário podia-me impedir de concluir o curso nos 5 anos.

Será que isto era/é o pão-nosso de cada dia?! Ou foi apenas um caso isolado? Mesmo que eu quisesse alguma coisa com ele seria ético?

(Guest-Post de leitora devidamente identificada)