Archive for 11/03

Sindicato da Construção Reune-se com Ministra

O Sindicato da Construção de Portugal (SCP) reuniu-se ontem, dia 10 de Março, com a Ministra do Trabalho (Helena André). O objectivo fundamental desta reunião é entregar “um documento alusivo à situação social e laboral do sector da construção”.

Segundo o SCP, o sector da construção está com graves problemas, prevendo que a curto prazo mais de 15 mil trabalhadores estejam desempregados. A estes 15 mil, há que somar os cerca de 90 mil que estão actualmente sem emprego.

É sabido que o sector da construção civil portuguesa esta a atravessar uma fase muita má, por causa da crise que actualmente assola o país.

E parece que os piores tempos ainda vêm a caminho…

Conduril – Construtora Duriense SA

A curiosidade sobre a empresa Conduril tem sido muita para os leitores deste blogue. Faço esta afirmação pois é a empresa que tem gerado mais clicks. A razão desta liderança no número de clicks deve-se ao facto de esta empresa ter ganho o prémio de melhor empresa da construção civil para se trabalhar (2011), como já foi aqui noticiado.

Mas quem é a Conduril?

A Conduril, ou melhor, a Conduril – Construtora Duriense SA (aliás, agora é denominada por Conduril Engenharia SA), é uma empresa que se dedica à execução de obras de engenharia e Obras Públicas. A sua fundação data de 1959 e emprega actualmente mais de 500 pessoas.

A sede desta empresa localiza-se em Ermesinde. No entanto as suas obras não se localizam apenas em Portugal. A Conduril tem também como destino das suas obras o solo africano, tendo já realizado obras em Marrocos, Angola, Moçambique e até mesmo no Botswana.

O seu site merece visita. Lá é possível visualizar fotos de algumas obras realizadas por esta empresa.

Diz quem trabalha lá que o prémio é justíssimo pois esta empresa oferece as melhores condições de trabalho.

Contactos:

Conduril – Construtora Duriense SA;

Av. Eng.º Duarte Pacheco, 1835;

4445-416 Ermesinde

Tel: 229 773 920

Fax: 229 748 668

Email: expedientegeral@conduril.pt

Hotel construido em 6 dias

O vídeo data de Novembro de 2010, mas publico hoje apenas para quem anda mais distraído.

O edifício foi construído na China (quem mais podia ser?) e recorre a elementos pré-fabricados. Funciona como Hotel (Ark Hotel) e tem 15 pisos. A estrutura demorou apenas 2 dias a ser concluida, enquanto os acabamentos demoraram os restantes 4 dias. A utilização de gruas móveis permitiu optimizar o processo construtivo.

Ainda tem dúvidas? Confirme:

Classes de Alvará

O valor das obras que determinam a classe de alvará é actualmente regido pela Portaria nº57/2011, publicada no passado dia 28 de Janeiro. Pode fazer download desta portaria no site do Diário da República Electrónico, clicando aqui.

Eis os valores das nove classes de alvará existentes:

VII Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Civil

Vai-se realizar em Lisboa no próximos dias 15, 16 e 17 de Abril de 2011 o VII Encontro Nacional de Estudantes e Engenharia Civil. As inscrições já se encontram abertas.

Este evento “chega” a Lisboa precisamente no ano do centenário do Instituto Superior Técnico. Serão três dias com palestras, visitas e momentos de convívio. Uma oportunidade única para partilha de experiências.

Os preços (até 28 de Março) são de 35€ (sem alojamento) e 85€ (alojamento incluído). Após o dia 28 de Março, os preços são agravados 5€ e 10€, conforme se queira alojamento ou não.

As inscrições podem ser efectuadas aqui.

Recorde-se que as duas últimas edições realizaram-se no Porto (2009) e Évora (2010).

A Casa que Voa!

Inspirados pelo filme de animação  “Up, Altamente!” (2009) alguns cientistas e engenheiros conseguiram a proeza de colocar uma casa a voar, com a ajuda de balões. No filme de animação da Pixar, um septuagenário amarrou alguns balões à sua casa para viajar até à América do Sul.

Assim, a National Geografic provou que pôr uma casa a voar era possível e não apenas algo de um filme de animação. Para isso recorreu a mais de 300 mil balões gigantes com hélio, atados a uma casa em madeira.

Este voo atingiu os 3000m de altitude, tendo honras de figurar no Guiness Book pois superou o record de voo com maior número de balões.

Eis o vídeo que compara o filme de animação com a proeza realizada no último fim de semana:

Resultado da Sondagem de Emprego

No dia 11 de Fevereiro foi colocada aqui uma sondagem para tentar perceber a opinião dos leitores relativamente à empregabilidade do curso de engenharia civil.

A pergunta era “Será difícil encontrar emprego em Engenharia Civil?” 

Resultados Finais:
Sim: 50 votos;
Não: 21 votos;
Não faço a mínima ideia: 12 votos;
Outro (Depende do país): 1 voto.

Passemos à análise dos resultados:

A participação foi baixa atendendo ao número de visitas diário: apenas 84 pessoas votaram.

Destes, a maioria acha que será difícil encontrar emprego. Por isso, das duas uma: ou vivemos num país de pessimistas ou então isto está mesmo muito mal! Aliado a isto está o facto do blogue ter também algumas visitas do Brasil, o que podia falsear um bocado os resultados da sondagem e, consequentemente, as conclusões.

É um facto que está complicado encontrar emprego em Portugal como engenheiro civil. Ora, se estamos com excesso de engenheiros qual seria a solução a adoptar?

Faria sentido a redução de vagas nas universidades para este curso? Medicina que tem a mais alta taxa de empregabilidade, não aumenta o número de vagas, apesar de haver insuficiências no número de médicos no país. Por isso “importamos” médicos do Brasil, Espanha e Leste da Europa.

O excesso de oferta (de engenheiros) leva a que aconteçam duas coisas: aumento do número de engenheiros civis desempregados e diminuição dos salários médios, pois há sempre alguém que aceita trabalhar muito e receber miseravelmente mal.

Uma coisa é certa: se não se constrói praticamente nada como é que as empresas vão ter dinheiro para contratar mais engenheiros?! Ou para pagarem um ordenado justo? É difícil…

Alguém tem uma solução para este caso bicudo?

Sondagem: Opinião sobre o Blogue

Votação válida durante uma semana

Engenheiros no Banco do Réus

 O caso remonta a um acidente ocorrido a 15 de Setembro de 2003, quando um comboio embateu com uma retroescavadora de grande porte em Torres Novas, provocando a morte a uma pessoa e ferimentos em quatro (todos ocupantes do comboio).

Assim, Director de Obra, Gestor de Segurança e Técnico de Higiene e Segurança do consórcio composto pela Somague e Bento Pedroso, assim como o Fiscal da Empreitada do consórcio composto pela Planege e Pangeste vão ter que se sentar no banco dos réus. O manobrador na retroescavadora também está acusado. Estão acusados de três crimes: ofensa à integridade física por negligência, atentado à segurança de transporte e infracção de regras de segurança.

O Plano de Segurança e Saúde (PSS) obrigava à demarcação de um limite de 2m a partir da linha, o que não foi respeitado. A escavadora manobrava numa zona que invadia o “gabarit”, isto é, ocupava uma zona que o comboio ocupa além da linha.

Três meses antes do acidente, o manobrador assinou uma folha de presenças numa acção de formação que nunca frequentou.

O PSS obrigava também à presença de dois sinaleiros, para avisarem a aproximação de comboios. Neste dia estavam presentes os sinaleiros. Porém, um era guineense com quatro dias de trabalho e o outro era brasileiro que tinha sido admitido naquele dia. Não tinham qualquer experiência (nem formação) em trabalhos na via-férrea. As suas funções específicas também não foram correctamente transmitidas pelos restantes arguidos.

No fundo, o MP sustenta que os arguidos sabiam de todos os atropelos e violação das normas de segurança, mas acreditaram que nunca ocorreria qualquer colisão com um comboio.

Pensamento do Dia

Algures nuns apontamentos de Estruturas de Betão da FEUP aparece uma frase que não é mais do que um momento de inspiração de um aluno:

PS: Desculpem a linguagem.