O Vencedor do Livro é…

A EngeBook já escolheu a frase vencedora do sorteio de um livro, realizado aqui no blogue Engenharia Portugal. Apenas 14 pessoas participaram. A qualidade das frases era elevada pelo que a escolha não foi consensual por parte da Engebook. Mais uma vez, gostava de esclarecer que o blogue Engenharia Portugal não teve qualquer influência na escolha da frase.

Assim, a frase vencedora foi a seguinte:

“Se queres ser bom engenheiro,
Um livro na EngeBook tens que comprar!
Se não tens dinheiro,
Não faz mal.
Os livros lá são baratos,
Disse-me o blogue Engenharia Portugal!”

Queria endereçar desde já os parabéns ao vencedor (e que fizesse o favor de responder ao e-mail que enviei agora).

Para quem não ganhou, não fiquem desiludidos. A EngeBook decidiu oferecer aos restantes participantes o CD “Segurança na Manutenção e Reabilitação de Estradas”.

Para o receberem (apenas aos participantes do concurso), enviem-me por favor um e-mail com nome e morada (engenhariaportugal@gmail.com).

Nova Página do Facebook [Actualização]

Consegui falar com Mark Zuckerberg e migrar o perfil do Engenharia Portugal com quase 1000 amigos para uma página, passando os “amigos” para “gostos”.

Como já vos tinha informado, o Facebook não autoriza a criação de perfis por parte de “não-pessoas”. Isto gerou o cancelamento da minha conta Facebook. No entanto consegui migrar tudo para uma página. Cheguei a ter activas 3 páginas e 1 perfil! Agora apenas existe uma página 🙂

Como com esta confusão toda algumas pessoas clicaram em “Gosto” noutras páginas que tiveram que ser eliminadas, peço-vos para clicar “Gosto” na página oficial do Engenharia Portugal, no Facebook.

Assim, clica aqui ou então na caixa do lado direito e depois faz Gosto!

Divulga também pelos teus amigos estudantes de engenharia e engenheiros civis.

A campaínha

Porque às vezes é difícil encontrá-la:

Porque Não Participaste no Sorteio do Livro?

Fiquei algo desiludido por apenas 14 pessoas terem participado no sorteio de um livro. Para mais tendo em consideração que muita gente se interessou pelos livros e foi à página da EngeBook vê-los.

Gostava perceber porque é que não houve grande adesão. Mesmo muitos dos habituais comentadores do blogue não participaram. Era um livro de engenharia completamente grátis. Eu só não participei porque não seria ético (embora não tenha qualquer poder de decisão na escolha do vencedor).

O que falhou? Respondam a esta pequena sondagem e usem a caixa de comentários para perceber o que falhou.

Ultima Oportunidade de Ganhar Livro Grátis

Pessoal, não se esqueçam de participar no sorteio de um livro aqui. Ainda só 11 pessoas participaram… está tudo a deixar para o último dia? Atenção que têm que participar até às 23:59 desta sexta-feira!!

Não percam uma oportunidade de receber nas vossas casas um livro de qualidade a custo zero. Se a EngeBook considerar esta colaboração como bem sucedida, mais livros e mais passatempos haverão. Por isso, PARTICIPA.

Universidade influencia empregabilidade?

Não sei se será consensual considerar que a universidade que se frequentou vai influenciar a empregabilidade ou não. A minha opinião é que a universidade é um factor importante.

Muitos defendem que estar inscrito na OE ou na ANET é a mesma coisa. Eu não concordo.

É um facto aceite por todos (penso eu) que o Instituto Superior Técnico (IST) e Faculdade de Engenharia da universidade do Porto (FEUP) são as faculdades portuguesas com maiores taxas de empregabilidade. Não raras vezes se vê em anúncios: “Procura-se Engenheiro Civil, FEUP ou IST”. Mas porquê que acontece isto?

Primeiro, porque estas universidades historicamente têm já um certo estatuto que as outras ainda não alcançaram. Depois, porque estão localizadas nos dois grandes centros urbanos do país (Lisboa e Porto).

As empresas vão preferir contratar um engenheiro cujo curso seja reconhecido pela Ordem dos Engenheiros (ou ANET). Mas se estão num curso que não é reconhecido, não desmotivem. Não vai ser por isso que não vão encontrar emprego.

Quanto às universidades privadas, tenho sérias dúvidas. Se eu fosse dono de uma empresa, nunca contrataria um engenheiro civil proveniente de uma universidade privada. Porquê? Por sei que existem alguns esquemas de facilitismo neste tipo de universidades, como o célebre caso do Engenheiro Sócrates. Mas que fique bem claro que não é regra geral.

Reabilitação Low Cost – Seminário

A revista “Construção Magazine” vai organizar no próximo dia 4 de Maio um seminário na FIL subordinado ao tema “Reabilitação Low Cost”.

O custo associado a este seminário é 50€+IVA (ou 40€+IVA para assinantes da revista) e inclui toda a documentação assim como o respectivo certificado de participação. 

O programa pode ser consultado aqui. Já as inscrições podem ser feitas aqui.

(Gentilmente lembrado pela leitora Andreia) 

Conta Facebook Cancelada

Infelizmente o Facebook cancelou a conta do blogue Engenharia Portugal. De facto, um perfil que não pertença a uma pessoa não é válido. Mas tendo em conta que existem muitos perfis assim na altura que o criei decidi arriscar.

Espero que não tenha sido nenhum engenheiro benfiquista que tenha levado a mal o último post e tenha denunciado o perfil.

É pena isto ter acontecido pois já tinha juntado lá quase 1000 engenheiros/estudantes de engenharia civil. Além disso, o Facebook era o principal meio de divulgação do blogue. Agora é tentar minimizar os “prejuízos”.

Relembro que está em vigor um sorteio de um livro de engenharia aqui no blogue! Não deixem para o último dia…

PS: Se alguém tiver o contacto do Mark Zuckerberg agradecia que o diponibilizassem porque gostava de falar com ele.

Futeboladas

Maior Fiscalização das Regras Anti-Sísmicas

O Tribunal de Contas exige uma maior fiscalização relativamente às regras anti-sísmicas em Obras Públicas. Segundo o TC existe um constante incumprimento das leis assim como um controlo ineficiente por parte das câmaras municipais e administração central. Um sismo em Portugal provocar o colapso de muitas estruturas, o que traria perda de muitas vidas assim como consequências económicas muito graves.

De facto, a regulamentação em Portugal tem em consideração a ocorrência de sismos. No entanto, esta não é cumprida na maior parte dos casos. Deveria-se então implementar sistema de controlo eficaz, para que as regras sejam mesmo cumpridas.

Esta discussão surge depois do sismo e tsunami ocorridos no Japão e nas consequências económicas que um desastre desta natureza pode ter.

(Guest post de João Costa)